Dúvidas? Agende uma Consulta: 11 3078-5088

O que é a Osteoartrite?

A osteoartrite é uma patologia caracterizada pela degeneração da cartilagem e seu osso subjacente dentro da articulação, bem como supercrescimento ósseo. A repartição destes tecidos, eventualmente, leva à dor e rigidez articular.

As articulações mais comumente afetadas são os joelhos, quadris, e aquelas nas mãos e coluna vertebral. As causas específicas da osteoartrite são desconhecidas, mas acredita-se ser o resultado de acontecimentos mecânicos e moleculares na articulação afetada.

O início da patologia é gradual e geralmente ocorre após os 40 anos de idade. Atualmente não há cura para a OA. O tratamento para a OA se concentra em aliviar os sintomas, e pode incluir uma combinação de fisioterapia, controle de peso e uso de medicamentos, artroplastias (próteses), viscossuplementaçao.

I. Informações Básicas

– Também conhecida como doença articular degenerativa.
– É a forma mais comum de artrite.
– Pode ser classificada como: Idiopática (localizada ou generalizada) ou secundária (traumática, metabólica, congênita / endócrino / neuropáticas e outras causas médicas).
– Caracterizada pela perda progressiva e focal da cartilagem hialina das articulações e por alterações ósseas subjacentes.
– Geralmente definida por sintomas, patologia ou combinação
– Patologia = alterações radiológicas (estreitamento do espaço articular, osteófitos e esclerose óssea).
– Sintomas = dor, rigidez, inchaço, limitação de movimento.

II. Predomínio

– OA geral afeta 13,9% dos adultos com idades entre 25 anos ou mais e 33,6% (12,4 milhões) de pessoas com 65 anos ou mais. Uma estimativa de 26,9 milhões adultos norte-americanos contra 21 milhões em 1990.

III. Incidência
Idade e sexo – Taxas padronizadas de incidência de OA sintomática:

OA mão = 100 entre 100.000 pessoas/ano.
OA de quadril = 88 entre 100.000 pessoas/ano.
Joelho OA = 240 entre 100.000 pessoas/ano.

OA do joelho progressiva de 4% ao ano.
– As taxas de incidência aumentam com a idade, e se estabilizam em torno de 80 anos.
– As mulheres apresentaram taxas maiores que os homens, especialmente após os 50 anos.

Os homens têm um risco 45% menor de incidência de OA do joelho e 36% menor do risco de OA de quadril do que as mulheres.

OA do joelho prevalentes, mas não de quadril ou OA mão, é significativamente mais grave nas mulheres em comparação aos homens.

VI. Assistência Ambulatorial

Casos de OA responderam por 7,1 Milhões (19,5%) de todas as entradas em ambulatórios relacionadas a artrite em 1997. Total de 7,1 Milhões entradas em ambulatórios tendo AO como principal diagnóstico.

Sexo: Homens = 2,2 milhões / Mulheres = 4,9 Milhões.

Idade: 0-18 = 35,000 / 19-44 = 355,000 / 45-64 = 2,5 Milhões / 65 + = 4,1 Milhões.

Cerca de 39% das pessoas com OA alegaram incapacidade de acesso aos serviços de saúde e reabilitação adequados por ano.

VIII. Impacto na qualidade de vida relacionada à saúde

OA do joelho é uma das cinco principais causas de incapacidade entre adultos não institucionalizados.
Cerca de 80% dos pacientes com OA têm algum grau de limitação do movimento.
Desses 25% não podem executar as principais atividades da vida diária (ADL), 11% dos adultos com osteoartrite de joelho precisam de ajuda com cuidados pessoais e 14% precisam de ajuda com as necessidades de rotina.
Cerca de 40% dos adultos com OA do joelho relataram sua saúde como “ruim” ou “regular”.
Em 1999, os adultos com OA do joelho relataram mais de 13 dias de trabalho perdidos devido a problemas de saúde.

IX. Características únicas
Doença em articulações que suportam peso tem maior impacto clínico.
Cerca de 20-35% de OA do joelho e 50% do quadril e mãos podem ser determinadas geneticamente.
Fatores de risco modificáveis e não modificáveis:

Modificáveis:

Excesso de massa corporal (OA especialmente joelho).
Lesão articular (esportes, trabalho, trauma).
Ocupação (devido ao estresse mecânico excessivo: o trabalho duro, pesado, movimento do joelho, flexão repetitiva).
Homens – Muitas vezes em função do trabalho, que inclui construção / mecânica, agricultura e engenheiros.
Mulheres – Muitas vezes em função do trabalho, que inclui a limpeza, construção, agricultura e pequenas empresas / varejo.
Desalinhamento estrutural, fraqueza muscular.

Não modificáveis:
Gênero (maior risco em mulheres).
Idade (aumenta com a idade, especialmente em torno dos 75 anos).
Raça (algumas populações asiáticas têm menor risco).
Predisposição genética.

Outros possíveis fatores de risco:
A deficiência de estrogênio (pode reduzir risco de OA de joelho / quadril).
Osteoporose (inversamente relacionada à OA).
Vitaminas C, E e D – relatórios equívocados.
Proteína C-reativa (aumento do risco com níveis mais elevados).

WhatsApp Agende uma Consulta